Para Pensar ....

" Gosto de ser homem, de ser gente, porque não está dado como certo, inequívoco, irrevogável que sou e serei decente , que testemunharei sempre gestos puros, que sou e que serei justo, que respeitarei os outros que não mentirei escondendo seu valor porque a inveja de sua presença no mundo me incomoda e me enraivece. Gosto de ser homem, de ser gente, porque sei que a minha passagem pelo mundo não é predeterminada, preestabelecida. Que o meu "destino" não é um dado mas algo que precisa ser feito e de cuja responsabilidade não posso me eximir. Gosto de ser gente porque a História em que me faço com os outros e de cuja feitura tomo parte é um tempo de possibilidades e não de determinismo. Daí que insista tanto na problematização do futuro e recuse sua inexorabilidade".
Paulo Freire























quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Você é um professor Digital ????



O que é necessário para um professor estar incluído digitalmente? Se você pensou que basta saber operar a parte técnica, digitar textos, jogar games ou bater -papo, errou. É preciso que o professor se aproprie das ferramentas, saiba usá-las a seu favor e coloque seus alunos a produzir com elas. Para isso são necessários alguns hábitos rotineiros em relação ao uso do computador e, especialmente, da internet.


FAÇA O TESTE
1. Possui um endereço de e-mail e 0 utiliza pelo menos duas vezes por semana (o ideal seria fazê-lo diariamente)?

2. Possui um blog, um site ou uma página atualizável na Internet onde regularmente produz, socializa e confronta seu conhecimento com outras pessoas?

3. Participa ativamente de um ou mais “grupos de discussão”, fórum ou comunidade virtual ligada à sua atividade educacional?

4. Possui algum programa de troca de mensagens on-line, como o MSN, com, no mínimo, dois colegas de profissão em sua “lista de contatos” e usa para fins profissionais pelo menos uma vez por semana, em média?

5. Assina algum periódico on-line (mesmo que gratuito) sobre notícias e novidades relacionadas à educação ou à sua disciplina específica, e o lê regularmente?

6. Prepara rotineiramente provas, resumos, tabelas, roteiros e materiais didáticos diversos usando um processador de textos (como o Word, por exemplo), uma planilha eletrônica (como o Excel) ou um programa de apresentações multimídia (como o PowerPoint)?

7. Faz pesquisa na Internet regularmente com vistas à preparação de suas aulas (no mínimo) e, preferencialmente, mantém um banco de dados de sites úteis para sua disciplina e para a educação em geral. Melhor ainda seria compartilhar esse banco de dados com colegas e alunos?

8. Prepara pelo menos uma aula por bimestre sobre um tema de sua disciplina onde os alunos usarão os computadores e a Sala de Informática de forma produtiva e não apenas para “matar o tempo”?

9. Mantém contato com o computador por, pelo menos, uma hora diária, em média?

10. Mantém-se atento para as novas possibilidades de uso pedagógico das novas tecnologias que surgem continuamente e tenta implementar novas metodologias em suas aulas?


Cada item em que você tiver resposta afirmativa vale um ponto. Se você somar mais que cinco pontos, já pode se considerar incluído no mundo digital.

Esse teste foi elaborado pelo professor José Carlos Antonio, publicado no Portal Educarede.

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Apresentação de Natal

Sabemos que  Natal está chegando, porém muitas pessoas não sabem o verdadeiro sentido desta festa tão bonita.
Por esse motivo na escola que eu trabalho resolvemos,  eu e outra professora do grupo V,  elaborar uma apresentação no Power Point sobre essa festa para que as crianças conhecessem o verdadeiro sentido do Natal.
Eles gostaram muito, pois muitos só se importavam em ganhar presentes e ver o Papai Noel.












sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Resenha do livro Escola Aprendente : Para além da Sociedade de Informação.

O livro Escola Aprendente de Maria Helena Bonilla aborda a expressão chamada de sociedade da informação e apresenta um paradigma da nova era onde as tecnologias ganham ênfase e significado para o ser humano. Essa obra foi lançada em 2005 pela editora Quartet e foi tema de Mestrado da autora.
Bonilla é licenciada em matemática no ano de 1988 e mestre em educação na ciência em 1997 pela UNIJUI depois fez seu doutorado em educação na universidade Federal da Bahia. Maria Helena Silveira Bonilla é professora da faculdade de educação da UFBA, pesquisadora na área de educação e tecnologias e integra o grupo de pesquisa da área de educação, comunicação e tecnologias (GEC) da FACED/UFBA.
Em seu livro Escola Aprendente é feito a comparação dos programas de sociedade da informação nos países Brasil e Portugal discutindo possibilidades de construção onde na escola as tecnologias de informação e comunicação é adotada como elemento estruturante de uma nova forma de pensar e não como apenas mais um recurso didático.  Ela aborda que a nova sociedade pressiona a educação fazendo com que esteja ligada com os novos elementos do mundo, refletindo criticamente sobre o uso das tecnologias da informação, comunicação e educação, transformando a postura do professor frente à inclusão digital na busca de articulação do novo e velho estilo, constituindo uma escola Aprendente.
Seu livro é composto por VI capítulos com 224 páginas onde o primeiro e o segundo fala sobre a informação da sociedade contemporânea, a globalização, a origem da sociedade da informação e os programas sociedade da informação no Brasil (SOCINFO) e o de Portugal fazendo uma breve descrição e também uma comparação. Nos outros capítulos a autora já traz um estudo sobre a Sociedade do Conhecimento onde os programas de informação aparecem nitidamente como forma de exclusão. Depois no capitulo seguinte ela faz um breve relato sobre o que seria uma Escola Aprendente e os seus desafios, e nos seus dois últimos capítulos ela traz uma proposta de como a escola utiliza as tecnologias na instituição de ensino e nas aulas de forma a constituir redes.
Bonilla traz no contexto do seu livro que a sociedade contemporânea vive em um processo de aceitação das tecnologias onde é necessário pensar na inserção das TICS como algo além da disponibilização de informação. Apesar das tecnologias atuais terem potencial para atender a todos, ela primeiramente pressupõe o desenvolvimento econômico e tecnológico para depois atingir o desenvolvimento social, mudando o estilo de vida das pessoas e designando uma nova época chamada de sociedade da informação.
Para a autora desde a década de 70 muitos pesquisadores vem questionando e problematizando sobre a sociedade contemporânea surgindo vários conceitos do novo tipo de sociedade da informação, onde as pessoas são profissionais equipados, por sua educação e preparação, fazendo com que a tecnologia nos aproxime do mundo computadorizado. Ela também traz em seu livro a existência dos programas de sociedade da informação em diversos países que tem como eixo principal a economia, tecnologia, educação, cultura e cidadania, porém esses programas têm motivação explicitamente industrial, onde a comunidade de baixa renda não conseguiu ter acesso e o individuo não é capaz de participar, questionar, produzir, decidir, e transformar, pois pessoas alfabetizadas no mundo digital necessitam expressar criativamente, gerar informação para que realmente esteja incluso neste processo.   
Bonilla fala que a escola, de certa forma, se fechou para as transformações sociais que ocorrem no contexto atual, pois fora dela, conceitos, valores, saberes, se estabelece e começa a emergir a partir da presença das tecnologias. Com isso o governo e unidades de ensino vêm inserindo as TICs de forma burocrática apenas para modernizar e atrair maior número de alunos. Para ela cabe a escola retrabalhar as informações dando um novo significado onde não só o aluno que aprende, mas também os professores e a própria instituição, transformando-se em uma escola Aprendente onde é possível vincular as novas e velhas tecnologias, utilizando hipertexto, interatividade, rádio, TV e celular desencadeando assim um novo processo na educação.
Ela apresenta ainda sua pesquisa realizada numa escola Ijuí (R.S), onde os professores não apresentavam familiaridade com as tecnologias e através de um projeto desenvolvido fez com que todos tivessem novo olhar, repensando na sua dinâmica de trabalho e propondo novas ações onde o uso das tecnologias estaria inserido no planejamento e no uso dos professores. Para isso foram criados os recursos de Home pages, lista de discussões, chat e outro como forma de reconfigurar as salas de aulas e as dinâmicas pedagógicas rompendo assim as barreiras da escola com o contexto cultural predominante da cibercultura, socializando os trabalhos dos alunos e dos professores com objetivo de compartilhar conhecimento, idéias e experiências.
Bonilla afirma que as Tics são fundamentais nas unidades escolares, pois permitem a conectividade, porém a chave para transformação não se encontra apenas na figura do professor, mas é necessário que a instituição acolha e assuma o uso das tecnologias nas práticas pedagógicas, na organização educativa e nos seus projetos envolvendo a comunidade, os sistemas educacionais e as políticas publicas, pois só assim iremos ter uma escola Aprendente onde o conhecimento e construído e partilhado e os membros são autônomos no processo de aprendizagem, caso contrário o modelo educacional continuará o mesmo, apenas dito mais moderno , já que utilizamos as tecnologias de informação e comunicação.   
É um livro importante, tanto para educadores como para a família que estão vivendo, com seus filhos em idade escolar.
Resenhista: Raquel Dias Almeida Muniz, aluna do Curso de Especialização em Tecnologia e Novas Educações da Faculdade de Educação da UFBA.
  

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Geração Z.


“Se você entender a Geração Internet, entenderá o futuro”
Essa é uma afirmação de Tapscott no seu livro Geração virtual e nos faz refletir como a internet revolucionou as formas de pensar, interagir, trabalhar e se relacionar no mundo que vivemos.
Estamos numa geração multifuncional em que jovens falam ao telefone, trocam mensagens de texto, baixam musicas, fazem upload de vídeos, assistem filmes, navegam no orkut, tudo ao mesmo tempo, pois já passamos da geração X para Y e agora estamos na Z.
Está geração chamamos também de geração silenciosa, pois estão sempre com fones de ouvidos, escuta pouco o que as pessoas falam e se expressam através de e-mails e mensagem via internet.
A geração Z nasceu no mundo da tecnologia e crianças e jovens que fazem parte estão acostumados a complexidade e a agilidade das informações, pois muitos são críticos, imediatista e mudam de opinião a todo momento.
Fico então pensando na escola em que estou lotada frente a esta geração onde alunos e pais não escutam muito as noticias, não navegam na internet e muito menos utilizam computador, onde a maioria não sabe ler e não tem muito interesse em aprender, pois possuem um baixo poder aquisitivo.
A única tecnologia que a maioria tem é o celular que usa apenas para receber e fazer ligações e tirar fotos.
Tentamos como professores oportunizar aos nossos alunos que eles façam parte desta geração apresentando as tecnologias na escola, desenvolvendo práticas educativas que incentive o aluno a conhecer e utilizar as tecnologias como fonte do imaginário e da aprendizagem, pois nosso desafio como educador é aprender para mudar e mudar para aprender.


segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Cibercultura




O desenvolvimento tecnologico coloca o ser humano em um caminho sem volta, pois já não somos mais como antes. As práticas, o modo de pensar , valores e atitudes, estão cada vez mais sendo influenciado pelo novo espaço de comunicação que surge da ligação mundial dos computadores e denominamos de ciberespaço. Isso faz com que  Pierre Levy tenha seu ponto de partida nas implicações culturais engrenadas pelas novas tecnologias de comunicação e informação.
Surgi então o termo Cibercultura  que é a interconexão mundial de computadores formando uma grande rede, onde cada nó dela é fonte de heterogeneidade e diversidade de assuntos, abordagens e discussões, em permanente renovação.
O ciberespaço  e a ciberultura constitui parte integrante da nossa sociedade atual cabendo a nós buscar conpreender essa nova forma de materização do espaço capitalista onde o computador conectado em rede deve ser visto como um recurso comunitário, associativo e cooperativo

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Notebook como é bom.


A muito tempo eu venho adiando a compra deste equipamento pois eu tinha um computador em casa e achava que ele era essencial para realizar as minhas tarefas. O tempo foi passando e com isso veio a necessidade de compra um , então fechei os olhos e adquiri essa tecnologia diga-se de passagem maravilhosa. Estou amando a facilidade o conforto e como é prático levar ele para qualquer lugar e usar quando quiser, sem ficar presa em um lugar fixo com vários fios.  Espero que um dia esse equipamento também seja colocado nas nossas escolas pois é muito difícil laboratório de informática bom para os nossos alunos e ainda por cima ficar 2 ou 3 em uma só máquina operando no computador .

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Feriadão que Legal !!!!!!!!!!!!

SEXTA-FEIRA !!!!!!!
Dia tão desejado por muitas pessoas e se esse dia vem com um feriado na segunda, então, é MARAVILHOSO. Tudo de bom.
Começamos a programar o que vamos fazer. Pode ser uma viagem rápida pela linha verde, ou então uma passadinha pela Ilha, ou  ir mais longe Aracaju, Maceió, Natal, ou outro lugar ... até mesmo se não viajar ficar em casa, ir ao cinema, ler um pouco, ir na praia com seu Kit ou até tentar colocar os estudos em dia.
O bom mesmo é saber que segunda não precisamos acordar cedo para irmos trabalhar
Não que eu não goste de trabalhar mais um feriado sempre cai bem para todos nós brasileiros.
Então desejo a todos um bom final de semana e ótimo feriado porque o próximo só em dezembro.
Curta bastante sem medo de ser feliz.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

As crianças aprendem muito na Creche .



As crianças se desenvolvem muito no período de 0 a 3 anos e esta fase é muito importante entender o que acontece dentro das Creches. Os pequenos recebem cuidados e atenção e têm espaço para explorar, brincar e se conhecer. Em sala, têm à disposição brinquedos e materiais que incentivam a expressão artística e estimulam a imaginação. No parque, se divertem com os brinquedos, brincando de bola, etc. Mesmo sem saber ler, manuseiam livros. Muitas vezes, nem conseguem falar e já estão "cantando" cantigas de roda e seguindo a coreografia. Assim é o dia das crianças de até 3 anos nas Creches.
O conhecimento, nessa fase, se dá basicamente por meio da ação, da interação com os colegas e os adultos, da brincadeira, da imaginação e do faz de conta. Não se trata, portanto, de escolarizar as crianças tão cedo, mas de apoiá-las em seu desenvolvimento.
Hoje trabalho em um CMEI no município de Salvador onde infelizmente estamos parados por falta de pagamento dos terceirizados, e fico indignada, pois muitas crianças estão em casa impossibilitada de freqüentar a unidade escolar por falta deste descaso dos órgãos competente com a educação.

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Dimensão Estruturante das Tecnologias



A dimensão estruturante das Tecnologias da informação que Pierre Levy denomina de tecnologias coletivas, ou tecnologias da inteligência tem incomodado muitas pessoas, principalmente educadores, pois a tecnologia tem crescido muito e mexido com o ser humano que se encontra envolvido por máquinas que muitas vezes vem a controlar as suas vidas.
Com a chegada das tecnologias a educação teve que ter novas perspectivas para implementar a sua práxis  pedagógica causando um pouco de distorção da sua aplicação, pois muitos professores usam como ferramentas somente na exposição para prender atenção dos alunos , incrementando e dinamizando as aulas na busca de  atingir seus objetivos. 
Quando pensamos em dimensão estruturante na pratica pedagógica devemos permitir ao aluno o desenvolvimento da criatividade e da construção de novos saberes interagindo com as tecnologias trabalhando no sentido de desenvolver espaços de produção e partilha de conhecimento,  onde o professor é só um mediador do processo.
Porém o uso das Tecnologias nas escolas só será potencializado se a mesma acolher e assumir nos seus projetos e na filosofia a idéia de introduzir novos modos de comunicação possibilitando ações e processos de aprendizagem a professores e alunos a fim de transformar em uma escola aprendente
Bonilla traz uma concepção de uma escola aprendente com competências novas utilizando o passado e o presente, processando informações, reconfigurando ações de modo criativo e transformador construindo redes na escola onde as tecnologias são pensadas além das ferramentas, do instrumento, pois as Tics são importante fonte do imaginário e da aprendizagem.

sábado, 30 de outubro de 2010

As Crianças na era virtual



Hoje estava conversando com minha sobrinha de seis anos e fiquei admirada como a tecnologia já faz parte do seu contexto de vida. Ela estava toda eufórica no notebook da sua mãe me mostrando o site que ela costuma a entrar para jogar, conversar com seus amigos da escola, fazer busca para trabalhos escolares e me mostrou também uma apresentação que ela fez sozinha no Power Point dos filhotes mais lindo do mundo. Minha mãe então ficou até constrangida, pois uma criança de seis anos sabe usar mais o computador do que ela que já vez algum tempo atrás curso de informática. Mais isso é normal no mundo em que vivemos onde a internet encanta muito essa faixa etária e também dos adolescentes que apresentam um conhecimento enorme apenas no futucar.  
Fiquei pensando então como as tecnologias, principalmente o computador, facilita e promove a aprendizagem das crianças de uma forma mais prazerosa e significativa e deparei com o meu mundo dentro da escola onde eu ensino onde os alunos estão totalmente excluídos da era digital pelo menos dentro da instituição, pois lá não possui laboratório de informática e o computador que veio para eles usarem, o mesmo está parado por causa de instalações apropriada, acho até que já quebrou pela demora.
Se já é notório que as tecnologias são muito importantes para todos porque não existe políticas publicas que facilite a implementação do uso delas no contexto escolar principalmente do público, para que os excluídos tenham oportunidade de fazer parte desta era virtual que estamos vivendo.


sábado, 23 de outubro de 2010

Hacker você sabe realmente o que é ?



Quando falamos ou ouvimos essa palavra lembramos logo da simbologia de um cara muito esperto , um verdadeiro génio do mal , inteiramente dedicado a destruição , um maluco que entra em qualquer computador do mundo para fazer o que bem quer, como ordenar ataques, roubar senhas e corromper dados. Um verdadeiro Doidão.
Porém na aula passada do modulo I  do curso de pós graduação da UFBA "Dimensão Estruturante da tecnologia" a professora Adrianne  nos fez pensar e refletir sobre o verdadeiro sentido da palavra Hacker.

Hacker – Hacker é qualquer pessoa que domina muito bem o que faz onde suas principais características de trabalho são liberdade , valor social, responsabilidade, paixão e criatividade. São profundos conhecedores da informática que usam esses todos  conhecimentos a fim de tornar a informática acessível a todos. Uma prova disso são os Softwares livres desenvolvidos pelos hackers como o LInux.

Durante muito tempo hacker foi sinônimo de pessoas maliciosas que “invadiam” emails, roubavam senhas e bagunçavam com a vida dos outros, hoje não, esses “hackers maus” são chamados de “crackers”.

A UFBA nos dias 18 e 19 de outubro realizou no auditório da FACED  um evento multimídia integrado  informando sobre a Ética Hacker e o desenvolvimento cientifico e tecnológico. No blog da minha  colega Patricia apresenta melhores informação de como foi o evento.

Portanto, o cracker (não o hacker) é a pessoa que quebra o código de algum programa e que  programa crackeado significa pirateado, ou seja, é crime!

Então, tome muito cuidado com seus passos pelo mundo virtual, pois assim como no mundo real, há inúmeras armadilhas nos esperando a cada clique ou descuido.






quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Criança e computador




O computador está presente na vida da criança da modernidade e afeta ativamente na construção da identidade. A partir de Três anos de idade, pesquisas mostram, que a criança já é capaz de utilizar o computador e ele é uma ferramenta de grande ajuda para o desenvolvimento destes pequeninos, porém devem ser utilizados de forma coerente. Quando introduzimos as crianças a este novo mundo podemos criar atividades que incentivem essas vivencias tornando mais interessante.
A internet e o mercado oferecem vários jogos que ajudam na coordenação motora e visual, raciocínio estratégico e novos hábitos de pesquisa. Eles despertam o interesse, ampliam o vocabulário e aumenta a curiosidade de pesquisar neste mundo virtual.
O objetivo principal e fazer com que as crianças usem outros meios de aprendizagem, ou seja, aprenda e estude brincando.
Portanto, ao meu ver, o uso do computador em sala de aula , deve ser utilizado como ferramenta para o processo de ensino aprendizagem, e não pode ser substituido pelos materiais didáticos , como lápis de cor, giz de cera., massa de modelar, areia, livros de historias infantis e etc.

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Parabéns Professor

 Parabéns a todos os colegas .




Mestre,
É aquele que caminha com o tempo,
propondo paz, fazendo comunhão,
despertando sabedoria.

Mestre é aquele que estende a mão,
inicia o diálogo e encaminha
para a aventura da vida.

Não é o que ensina fórmulas, regras,
raciocínios, mas o que questiona
e desperta para a realidade.

Não é aquele que dá de seu saber,
mas aquele que faz germinar
o saber do discípulo.

Mestre é você, meu professor amigo
que me comprende, me estimula,
me comunica e me enriquece com
sua presença, seu saber e sua ternura.

Eu serei sempre um seu discípulo
na escola da vida.

Obrigado, professor!
(N.Maccari)

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Cuidado com os brinquedos


Toda criança adora ganhar brinquedos, porém eles são coisa séria, pois alguns deles são perigosos para as nossas crianças, pois algumas levam a boca e esses inocentes objetos contêm peças que podem ser ingeridas ou inaladas. Por isso é necessário ter alguns cuidados básico que devem ser adotados por pais ou responsáveis pelas nossas crianças no ato da compra.
  • Cuidado com brinquedos que contenham peças pequenas. Elas podem se destacar e as crianças engolirem, compre tais produtos apenas para maiores de 6 anos
  • Para criança ate 3 anos compre aqueles que não tenham partes muito pequenas.
  • Verifique a existência do selo de conformidade do INMETRO. Ele irá garantir um nível maior de segurança.
Quando as crianças tiverem usando os brinquedos não as deixem sem a supervisão, para que não as leve a boca e se caso ocorra de soltar alguma peça recolha imediatamente deixando fora do alcance dos pequeninos.
Brincar faz parte do desenvolvimento infantil mais é necessário atenção e precaução no ato da compra e escolha de alguns brinquedos.


quinta-feira, 30 de setembro de 2010

A historia do dia da Criança


No dia 12 de outubro comemoramos o dia das crianças, porém muitas vezes não conhecemos com, quando e quem inventou essa data.
Pesquisa feita na internet mostra que no Brasil esse dia foi criado por um politico cujo o seu nome era Galdino, Deputado Federal, que decidiu fazer um projeto de lei onde criava uma data para homenagiar as crianças, levou ao congresso seu projeto e foi aprovado e oficializado pelo Presidente Arthur Bernardes em 5 de novembro de 1924  decreto nº 4.867.
Porém essa data só chegou a ser comemorada de forma tão forte em 1960 quando uma fabrica de brinquedos decidiu ampliar as suas vendas e lançou a "Semana do Bebê Robusto" que foi o maior sucesso e copiado por outras empresas que quiseram ampliar o seu lucro  decidindo então todo o ano fazer a semana das crianças.
Em outros paises esta data é comemorada em dias diferentes como :
Na china 5 de maio , Portugual 1 de Junho , India 15 de Novembro,  e também no dia 20 de novembro alguns paises festejam o dia da criança pois é a data que a ONU aprova a Declaração dos Direitos das Crianças.
Portanto não importa o dia nem o mês que você comemore o dia da criança o que  elas precisam realmnete e de afeto, carinho , atenção e amor mais do que presentes e todos os dias podemos festejar o dia da criança.

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Brincadeiras



Brincadeiras InfantisMuitas vezes temos tempo, temos espaço, Mas...
O que fazer com as crianças?
Brincar sim, mas brincar do que?E na hora de montar o planejamento que tipo de brincadeira escolher?
Bom ai vão algumas idéias para tentar acalmar os pequeninos que tem energia de sobra.

01 - Telefone sem fio
Idade: a partir de 5 anos
Participantes: 5 ou mais
Regra:Organizar os jogadores sentados um ao lado do outro em fila.
O primeiro jogador diz uma frase/mensagem no ouvido do colega seguinte. Cada participante após receber a mensagem fala o mais baixo possível no ouvido do colega seguinte até que o ultimo falará em voz alta o que recebeu. A mensagem muitas vezes chega completamente diferente!!!

02 - Estátua
Para essa brincadeira é bom ter mais de 3 pessoas.
Você vai precisar de um aparelho de som.
Todos os jogadores fazem um círculo e um fica como o mestre, controlando o som.
Quando o mestre quiser ele abaixa o volume e diz "estátua"!
Os jogadores devem ficar em posição de estátua, sem se mexer e o mestre vai tentar fazer caretas e brincadeiras para ver quem se mexe primeiro.
Não vale fazer cócegas.
Quem se mexer ou rir espera até que sobre somente um para reiniciar a brincadeira.


03 - Passa Anel
As crianças se colocam em fila, lado a lado, sentadas ou em pé, com as mãos unidas.
Inicia-se o jogo com a criança que está com o anel, passando de uma em uma das crianças, tentando deixar o anel por entre mãos unidas: "Tome este anelzinho e não diga nada a ninguém". Após ir em todas as crianças, ela já deverá ter deixado o anel com uma delas. Após isso, a criança que estava com o anel e que o passou a outra, pergunta a qualquer uma das crianças, menos àquela que esta com o anel: Com quem você acha que está o anel? Se a criança escolhida acertar ela pega o anel e começa a brincadeira novamente.
O anel pode ser substituído por uma pedrinha.


04 - Queimada
Tradicional jogo com bola, para crianças e adultos. Ganha o jogo a equipe que "queimar" todos os jogadores adversários.
Formam-se dois grupos e cada grupo fica em um lado do campo. No fundo de cada lado do campo, marca-se uma linha, que marcará o poço, para onde deverão ir os jogadores queimados.
Tem início o jogo. As jogadas são sempre alternadas por equipe. Escolhe-se a equipe que dará início ao jogo e um jogador desta pega a bola e a atira no grupo adversário. O objetivo é "queimar" alguém. Um jogador é queimado quando a bola bate nele, e depois cai no chão. Se a bola é agarrada por qualquer membro da equipe, o jogador é salvo. Se a bola bate em um jogador, e depois em outro, sempre o último jogador em quem a bola bateu que é o queimado. O jogador queimado deverá então ir para o poço, que fica atrás da linha de fundo do campo adversário.
Quando algum jogador da equipe está no poço, pode-se tentar salvá-lo "cruzando" a bola para ele, isto é, arremessando a bola bem alto para que ela alcance o poço sem que nenhum jogador adversário a agarre. O jogador que está no poço então, deverá tentar "queimar" um adversário, conquistando assim o direito de voltar para o seu campo. Mas não é obrigatório que a equipe que tenha algum jogador no poço adversário cruze as bolas para ele, ela poderá simplesmente continuar tentando queimar os adversários.
Ganha o jogo a equipe que "queimar" todos os jogadores da equipe adversária.

05 - Acertar a Lata
Material: 6 latas de alumínio, 3 bolas de tênis, giz.
Colocar 6 latas iguais numa superfície a 1 metro do chão. Formar com elas um triângulo, colocando assim as 3 latas na base, 2 em cima e 1 no topo. Traçar uma linha no chão com um giz, a uns 3 metros, a partir de onde as crianças lançarão as bolas.
Cada jogador receberá três bolas para tentar derrubar as latas. Conta-se um ponto por cada lata derrubada. E três pontos a mais para quem conseguir derrubar todas


.06 - Amarelinha


Brincadeira não só de meninas, a Amarelinha, também conhecida como "Pular amarelinha", é uma brincadeira que estimula a criança a ter noções dos números, trabalhando a ordem das casas numéricas do número um ao número dez, além de estimular à habilidade do equilíbrio, pois as crianças nas áreas que não existem associações de casas, ou seja nos quadrados 1 - 4 -7-10, as crianças apenas podem colocar um pé, e nas demais com casas juntas 2 e 3 -5 e 6-8 e 9 e Céu podem e devem colocar os dois pés

07 - Pular Corda

Enquanto dois jogadores tocam a corda, cada um do grupo pula cantando a cantiga: “Um homem bateu na minha porta e eu abri. Senhoras e senhores, pulem num pé só. Senhoras e senhores, ponham a mão no chão. Senhoras e senhores, dêem uma rodadinha. E vão, pro olho da rua!” (sair fora),
Quem conseguir chegar primeiro ao final, sem errar no pulo, será o vencedor.


08 - Agacha-Agacha
Nessa brincadeira de perseguição, a criançada corre, agacha e levanta, aperfeiçoando os movimentos
- IDADE A partir de 4 anos.
- LOCAL Pátio ou outro espaço amplo.
-PARTICIPANTES No mínimo três.
-COMO BRINCAR Uma criança é eleita o pegador. Para não serem apanhadas, as demais fogem e se agacham.
Quando o pegador consegue tocar um colega que está em pé, passa sua função a ele. Não há um vencedor.
A brincadeira acaba quando as crianças se cansam.


09 - Corrida dos sapatos
Formam-se duas equipes, que são dispostas em fileira.
Uma cadeira ou bandeirinha separa um time do outro.
Os jogadores tiram os sapatos, que serão embaralhados.
Dá-se o sinal de início, e os jogadores devem sair correndo, até encontrarem seus dois pés de sapato, calçando-os seguida. Feito isso, voltam ao ponto de partida.
Os jogadores que calçarem sapatos trocados, ou não o calçarem direito, serão desclafissicados. Cada jogador que retornar à linha de partida, e não for desclassificado, marcará um ponto para a equipe. Ganhará a equipe que marcar o maior número de pontos.


10 - Corrida de sacos
Cada corredor deverá entrar em um saco, que será bem preso a sua cintura, e tentar correr, ou melhor, pular até a linha de chegada. Vence aquele que chegar primeiro

11 - Dança das Cadeiras
Você precisa ter uma cadeira a menos do número das pessoas que estiverem brincando.Por exemplo, se forem 5 crinças, deve-se ter 4 cadeiras.
Coloque uma música animada,as crianças andam dançado ao redor das cadeiras,quando a música parar elas devem correr e tentar sentar,quem não conseguir, sai da brincadeira.
Conforme as crianças vão saindo,deve-se tirar também uma cadeira, ou seja, se iniciou com 5 crianças e 4 cadeiras, assim que a primeira criança sair tira-se mais uma cadeira,ficando 4 crianças e 3 cadeiras e assim sucessivamente, até que só reste uma cadeira e o vencedor.


12 - Morto-Vivo
IDADE = A partir dos 4 anos
MATERIAL = Nenhum
ATIVIDADE O condutor irá dispor as crianças enfileiradas na horizontal, cada vez que o condutor falar MORTO, as crianças devem se agachar e quando ele falar VIVO eles devem se levantar, o condutor deverá ir falando cada vez mais rápido para que as crianças se confundam, quem errar sairá da brincadeira até que fique apenas o vencedor, depois a brincadeira recomeça novamente.

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Conto de Historia



Contar histórias é um momento de intimidade entre o adulto e a criança e, por isso, pode ajudar o relacionamento professor-aluno. Elas são eficientes para ensinar justamente porque encantam as crianças. É fácil entender esse fascínio. Basta lembrar que a literatura tem como matéria-prima a emoção. As histórias podem ser utilizadas de várias maneiras: podem servir de apoio a um tema já estudado, ou entrar como apresentação de conteúdos um pouco mais complicados. Sugestões de trabalho com histórias: criar uma história futurista; criar cenas a partir das histórias criadas pelos alunos; elaborar uma entrevista com autores via e-mail; criar um jornal literário, sugerindo novos títulos; confecção de livro contendo as histórias construídas pelos alunos. Pesquise nos sites abaixo ou na Internet histórias do folclore, lendas ou contos chineses. Proponha uma atividade didática para ser trabalhada pelos alunos a partir da história escolhida. Sites com Histórias: Contos - www.baydenet.com.br/users/quental Contos de Fadas - www.contosdefadas.com Fábulas de Esopo - www.uol.com/criancas/fabulas Fábulas com animação -www.uol.com.br/fabulas Folclore - www.fefal.com.br/lendas Uol Crianças - www.uol.com.br/criancas/ Contos – www.contosdefadas.com Contos de fadas – www.contosdefadas.com Contos de Princesa – www.amybrownart.com/links.asp Lendas – www.indiantemples.com/Tamilnadu/df076.html

sábado, 18 de setembro de 2010

Os contos infantil Ilustrado


Os Contos infantis Ilustrados e sem Texto, constituem uma excelente atividade recreativa e de grande valor didático, para uso em sala de aula, eventos informais, ou ambiente doméstico. A ideia é que as crianças vejam o conto e depois possam interpretá-lo de forma livre. Poderão mesmo criar suas próprias histórias baseadas nas ilustrações.


O MENINO E O PRESENTE.
Uma história diferente para despertar a criatividade e imaginação infantil, ou mesmo adulta.






sábado, 28 de agosto de 2010

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

O BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Algo sagrado na vida de uma criança é a brincadeira. A importância do ato de brincar é tanta que a sua falta pode resultar num adulto inibido e incapaz de realizar seus desejos e fantasias. “É na fase do brincar que se dá a delineação psíquica de um dos pilares da criatividade de todo ser humano. Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar parte integrante da atividade educativa. Além de possibilitar o exercício daquilo que é próprio no processo de desenvolvimento e aprendizagem, brincar é uma situação em que a criança constitui significados, sendo forma tanto para a assimilação dos papéis sociais e compreensão das relações afetivas que ocorrem em seu meio, como para a construção do conhecimento.
Na educação infantil, é difícil estabelecer um horário para a brincadeira e um horário para a aprendizagem. Hoje sabe-se que a criança aprende brincando. O mundo em que ela vive é descoberto através de jogos dos mais diversos tipos que vão dos mais simples de encaixe às mais curiosas brincadeiras folclóricas. O jogo, para a criança, é o exercício e a preparação para a vida adulta. É através das brincadeiras, seus movimentos, sua interação com os objetos e no espaço com outras crianças que ela desenvolve suas potencialidades, descobrindo várias habilidades. Toda criança gosta de brincar. Então, se a criança aprende brincando, por que então não ensinarmos da maneira que ela aprenda melhor, de uma forma prazerosa e, portanto, eficiente?
Quando a criança brinca ela  toma certa distância da vida cotidiana, entra em seu mundo imaginário e ilusório, não estando preocupada com a aquisição de conhecimento ou desenvolvimento de qualquer habilidade mental ou física. 
Por isso vamos pensar e refletir que a criança aprende brincando e a brincadeira deverá ser algo sem compromisso que se realiza naturalmente nas nossas aulas . 

“Brincar não é perder tempo, é ganhá-lo. É triste ter meninos sem escola, mas mais triste é vê-los enfileirados em salas sem ar, com exercícios estéreis, sem valor para a formação humana".



                                                                        Carlos Drummond de Andrade.


sábado, 21 de agosto de 2010

SER PROFESSOR.



Para ser professor, eu pensei que seria fácil e que precisaria de muito pouco, bastaria ser alguém esperto, ter imaginação, ser criativo, ler bastante, saber utilizar as palavras, ouvir quando necessário, chamar atenção para manter disciplina, cumprir conteúdos e planejar. Porém com o passar do tempo descobrir que fui enganado pelo didático. Na ninha caminhada como professora tudo o que pensei ter aprendido não passou de ilusão. Lidar com gente não é fácil, além de teorias e métodos é preciso mais que saber. Professor tem que ser mágico, cantor, palhaço, artista um pouco mãe e as vezes pai. Tem que expor emoção, por sentimentos ter paciência e compreensão. Ser PROFESSOR na verdade é ser gente que constroi não só personalidade mais contribui na formação do caráter e auxilia na formação do cidadão. Ser PROFESSOR é muito mais que uma profissão.